Porque o coronavírus se compara à gripe espanhola?

    Porque o coronavírus se compara à gripe espanhola?

    O mundo viu surtos, com alguns piores do que outros, mas uma coisa é comum: todos esses surtos resultam em perda de vidas e uma crise global de saúde. Uma das piores epidemias do mundo foi a gripe espanhola de 1918. Agora, o atual surto de doença por coronavírus (COVID-19) está sendo comparado à gripe espanhola que devastou o mundo há mais de um século.


    A pandemia de influenza de 1918, a primeira das duas pandemias que envolvem o vírus influenza H1N1, infectou 500 milhões de pessoas em todo o mundo, e estimativas sugerem que ele tenha matado algo entre 17 e 50 milhões de pessoas.


    Enquanto isso, o atual surto de coronavírus já levou 3.996 vidas e infectou 113.582 pessoas em todo o mundo no momento da redação deste artigo. Os casos COVID-19 estão aumentando constantemente, com agora mais de 100 países afetados. China, Coréia do Sul, Itália e Irã têm o maior número de casos.





    Autoridades de saúde e cientistas de todo o mundo estão se esforçando para conter a propagação do vírus.


    Como o coronavírus se compara à gripe espanhola?



    Pneumonia é o assassino



    Ambas as infecções podem levar a pneumonia, que tem sido a culpada em muitas das mortes por COVID-19. O tipo de pneumonia no COVID-19 é semelhante ao da gripe espanhola de 1918. No entanto, a taxa de mortalidade COVID-19 é muitas vezes menor que a da gripe espanhola de 1918.  



    A gripe espanhola e o COVID-19 são doenças respiratórias infecciosas, que compartilham alguns sintomas. Ambas as infecções causam febre, tosse e, às vezes, dores no corpo. No entanto, na gripe espanhola, causou náusea e diarréia, não observadas em pacientes com COVID-19. Além disso, os pulmões dos pacientes com gripe espanhola foram preenchidos com uma substância espumante e sanguínea, causando asfixia com os pacientes ficando azuis.


    Nos pacientes com COVID-19, um dos sinais patognomônicos é a falta de ar. Os sintomas mais comuns dessa infecção são febre, tosse, geralmente seca, falta de ar ou dificuldade em respirar.




    COVID-19 ameaça idosos e pessoas imunocomprometidas


    O COVID-19 geralmente tem como alvo aqueles com sistema imunológico enfraquecido. Os idosos e aqueles com sistema imunológico comprometido constituem a maioria dos que morreram com a doença. Os Centros de Controle de Doenças da China relataram que a maioria dos casos no país, ou 87% de todos os casos, eram pessoas entre 30 e 79 anos.


    Adultos, adolescentes e crianças mais jovens podem encontrar ou contrair a infecção, mas apresentam sintomas mais leves ou, em alguns casos, nenhum. Com base no relatório, apenas 8,1% dos casos ocorreram em pessoas na casa dos 20 anos, 1,2% eram adolescentes e 0,9% tinham nove anos ou menos.


    Por outro lado, a pandemia de gripe espanhola em 1918 apresenta uma mortalidade extraordinariamente alta de jovens adultos, afetando pessoas jovens e saudáveis. Portanto, os cientistas apelidaram a pandemia como o "maior holocausto médico da história".


    Um estudo examinou dados históricos que abordam a alta proporção de jovens infectados pela gripe espanhola, o que implica que as pessoas mais velhas podem ter adquirido imunidade contra um surto anterior de influenza.


    A propagação foi mais lenta na pandemia de gripe espanhola


    A propagação da gripe espanhola foi mais gradual, pois as viagens aéreas ainda eram um novo modo de viajar há um século. O vírus foi transmitido por via ferroviária e marítima, e não por companhias aéreas. Alguns lugares tinham meses e até anos para se preparar antes da chegada da gripe em seus países. Os historiadores vincularam a propagação da gripe espanhola às tropas que lutavam na Primeira Guerra Mundial.



    O COVID-19 está se espalhando rapidamente porque viajar é uma necessidade diária hoje, com vôos de um país para outro acessíveis à maioria.


    Alguns lugares conseguiram manter o vírus à distância em 1918 com métodos tradicionais e eficazes, como o fechamento de escolas, a proibição de reuniões públicas e o fechamento de aldeias, que foi realizada na cidade de Wuhan, na província de Hubei, na China, onde o surto de coronavírus começado. O mesmo método está sendo implementado no norte da Itália, onde o COVID-19 matou mais de 400 pessoas.


    Taxa de mortalidade pior na gripe espanhola


    A gripe espanhola de 1918 tem uma taxa de mortalidade mais alta estimada em 10 a 20 por cento, em comparação com 2 a 3 por cento no COVID-19. A taxa de mortalidade global da gripe espanhola é desconhecida, pois muitos casos não foram relatados naquela época. Cerca de 500 milhões de pessoas ou um terço da população mundial contraíram a doença, enquanto o número de mortes foi estimado em 50 milhões.


    Melhor saúde pública e inovações modernas


    A gripe espanhola durou dois anos, e uma grande maioria das mortes ocorreu no outono de 1918, enquanto a segunda onda do surto foi causada por um vírus mutante espalhado por um movimento de tropas de guerra.


    Durante esse período, os fundos públicos são desviados principalmente para os esforços militares, e um sistema de saúde pública ainda era uma prioridade na maioria dos países. Na maioria dos lugares, apenas a classe média ou os ricos podiam se dar ao luxo de visitar um médico. Portanto, o vírus matou muitas pessoas em áreas urbanas pobres, onde há má nutrição e saneamento. Muitas pessoas durante esse período tinham condições de saúde subjacentes e não podem se dar ao luxo de receber serviços de saúde.


    Atualmente, em meio ao surto de coronavírus, os sistemas de saúde estão intactos na maioria dos países. Nos países em desenvolvimento, embora os sistemas de saúde sejam fracos, existe a disponibilidade de médicos e profissionais de saúde, bem como hospitais para atender aos pacientes.


    Além disso, as inovações médicas estão melhorando continuamente em todo o mundo, com cientistas e especialistas em saúde correndo para encontrar uma vacina ou um tratamento para a nova doença de coronavírus.



    Fontes:
    Coronavírus: O que podemos aprender com a gripe espanhola? - https://www.bbc.com/future/article/20200302-coronavirus-what-can-we-learn-from-the-spanish-flu


    close